Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

Presidente da CPI da ONGs será escolhido nesta quinta-feira (15)

Brasil – Está agendada para quinta-feira (15) a instalação da CPI das ONGs, a partir das 9h. Formada por 11 senadores, a comissão parlamentar de inquérito que vai investigar as organizações não governamentais (ONGs) deverá eleger seu presidente na mesma reunião. A iniciativa de criação da CPI partiu do senador Plínio Valério, do PSDB do Amazonas. Em uma entrevista concedida à Rádio Senado, o senador explicou que o objetivo da comissão é desvendar a “caixa preta” relacionada ao financiamento das ONGs. “Não vamos demonizar nenhuma ONG, não é esse o objetivo. Existem ONGs sérias e essas serão preservadas. O que vamos investigar são aquelas que são alvo de denúncias, que recebem dinheiro tanto do exterior quanto do Brasil, não prestam contas e direcionam 85% dos recursos arrecadados para uso próprio. Essas ONGs prestam um grande desserviço, principalmente à Amazônia”, defendeu o senador Valério. O requerimento de criação da CPI destacou que outro objetivo da comissão é investigar os repasses do governo para as ONGs. Além disso, serão apuradas as suspeitas de atuação de “ONGs de fachada”, que supostamente recebem recursos públicos sem realizar efetivamente os serviços para os quais foram designadas. A previsão é que a comissão de inquérito dure até 130 dias para concluir suas investigações. “No país, temos sido cada vez mais frequentemente confrontados com denúncias sobre a existência de ‘ONGs de fachada’, cujo verdadeiro propósito seria repassar recursos para partidos políticos ou até mesmo para particulares. Também há suspeitas de que, mesmo sem receber verbas do governo, algumas ONGs estejam envolvidas em atividades irregulares, incluindo serviços prestados por empresas estrangeiras com interesses de potências estrangeiras”, afirmou Plínio no requerimento. A CPI das ONGs é uma oportunidade para investigar e esclarecer as denúncias de irregularidades no financiamento e na atuação das organizações não governamentais. A expectativa é que os trabalhos da comissão contribuam para uma maior transparência e eficiência no setor das ONGs, garantindo que os recursos sejam devidamente aplicados em benefício da sociedade.

Fonte: Portal Cm7

Outras notícias