Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.
Carros de fiscais do ICMBio e Força Nacional foram queimados no Amazonas — Foto: PF

PF investiga grupo que teria atacado e incendiado veículos de fiscais do ICMBio e Força Nacional no Amazonas

Operação policial investiga grupo suspeito de atacar e queimar carros de fiscais ambientais no Amazonas

Uma operação da Polícia Federal, denominada “Operação KM 180”, foi realizada com o objetivo de desmantelar um grupo criminoso responsável por atacar e queimar carros de fiscais do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e da Força Nacional, no Amazonas. A ação ocorreu em setembro deste ano e resultou na apreensão de três armas de fogo, munições e motosserras.

O balanço da operação foi divulgado nesta quarta-feira (18), um dia após a realização das buscas e apreensões. Os alvos da operação são investigados pela prática de crimes ambientais, crimes contra o patrimônio da administração pública e obstrução da ação de fiscalização do poder público.

Segundo a Polícia Federal, as medidas cautelares visam obter provas que comprovem a prática dos crimes investigados e também aprofundar a investigação sobre o destino da madeira apreendida. A soma das penas para os crimes de dano qualificado e associação criminosa pode ultrapassar 13 anos de reclusão.

A operação mobilizou 16 policiais federais, que cumpriram quatro mandados de busca e apreensão no distrito de Santo Antônio do Matupi, localizado no município de Manicoré, na região da Rodovia Transamazônica. Segundo informações da Polícia Federal, a devastação na Unidade de Conservação Federal na região já ultrapassa 700 hectares.

Ataque criminoso

O ataque criminoso ocorreu no dia 28 de setembro deste ano, no Sul do Amazonas, em uma região marcada pelo conflito entre madeireiros e fiscais ambientais. Na ocasião, fiscais do ICMBio e policiais da Força Nacional foram atacados e tiveram seus veículos incendiados.

Testemunhas relataram que os agentes estavam realizando uma fiscalização contra o desmatamento na Floresta Nacional de Aripuanã, próximo ao distrito de Santo Antônio do Matupi. Em nota, o ICMBio informou que a fiscalização tinha como objetivo verificar um desmatamento de 762 hectares apontado pelo sistema DETER.

Durante a ação, foram encontrados 550m³ de madeira ilegal em tora, além de armas, equipamentos e veículos utilizados no desmatamento ilegal. Todos os equipamentos foram apreendidos ou destruídos. Quatro infratores foram identificados e multados em R$ 7,6 milhões.

Segundo relatos de testemunhas, em retaliação à fiscalização, os fiscais do ICMBio foram emboscados. Homens derrubaram árvores, cercaram as viaturas dos fiscais e atearam fogo. Em áudios obtidos pela Rede Amazônica, homens incentivaram o ataque, afirmando que era hora de agir e incendiar os veículos.

Os criminosos também interditaram a BR-230, conhecida como Rodovia Transamazônica. Os fiscais foram resgatados pela Polícia Militar do Amazonas.

Região marcada por conflitos

Santo Antônio do Matupi, distrito de Manicoré, é conhecido por ser uma região constantemente afetada por conflitos motivados por disputas territoriais e desmatamento. Em 2011, um produtor rural foi executado após tentar resolver os problemas fundiários da área. Em 2013, três homens foram mortos e seis indígenas foram denunciados por homicídio qualificado como forma de vingança pela morte de um cacique.

A operação “KM 180” demonstra a intensificação dos esforços das autoridades na luta contra os crimes ambientais e na proteção das áreas de conservação. A fiscalização e a punição dos responsáveis são essenciais para evitar a degradação do meio ambiente e garantir a preservação da biodiversidade na região amazônica.

Fonte: https://g1.globo.com/am/amazonas/noticia/2023/10/18/pf-mira-grupo-criminoso-suspeito-de-atacar-e-queimar-carros-de-fiscais-do-icmbio-e-forca-nacional-no-amazonas.ghtml

Outras notícias