Instituto de Criminalística está em condições precárias. — Foto: Divulgação/MPAM

Falta de câmaras frigoríficas e peritos é apontada pelo MP no IML e Instituto de Criminalística do AM

Ministério Público do Amazonas constata problemas graves nos órgãos de perícia do estado

O Instituto Médico Legal (IML) e o Instituto de Criminalística (IC) do Amazonas estão enfrentando problemas sérios que comprometem a eficiência das investigações realizadas pelas forças de segurança do estado. Uma vistoria realizada pelo Ministério Público do Amazonas nesta sexta-feira (1º) revelou a falta de câmaras frigoríficas suficientes para armazenar os corpos, a escassez de peritos e prédios em condições precárias.

A Rede Amazônica procurou a Secretaria de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM) para obter esclarecimentos sobre os problemas apontados pelo MP, mas aguarda uma resposta oficial.

Durante a visita, os promotores Iranilson Ribeiro e Márcio Mallo constataram a precariedade dos equipamentos nos dois órgãos, o que compromete o trabalho de investigação. No IML, a falta de peritos e de câmaras frigoríficas adequadas torna impossível avaliar se os presos em flagrante sofreram agressões antes da audiência de custódia, pois os laudos não estão sendo juntados aos autos a tempo.

No Instituto de Criminalística, a situação ainda é mais crítica. O prédio não atende de forma mínima às necessidades dos profissionais, faltando equipamentos e aplicativos indispensáveis para a realização de perícias. Como resultado, centenas de inquéritos sobre homicídios e outros crimes graves ficam parados, sem conclusão.

O promotor Iranilson ressaltou a importância de uma perícia técnica adequada para o avanço das investigações da Polícia Civil, incluindo os casos de tráfico de drogas e organizações criminosas. O Ministério Público já ingressou com uma Ação Civil Pública para garantir investigações eficientes, mas o Estado recorreu, argumentando que nem o órgão ministerial nem a justiça têm o poder de interferir na política de segurança do estado.

Agora, o Tribunal de Justiça será responsável por decidir se o Instituto de Criminalística pode permanecer nessas condições precárias enquanto o Estado decide quando fornecerá recursos para uma investigação eficiente. Enquanto isso, as investigações de homicídios ficam prejudicadas devido às condições prediais precárias e, principalmente, à falta de equipamentos e softwares de investigação. A população aguarda por soluções para garantir a segurança e a justiça no estado do Amazonas.

Fonte: https://g1.globo.com/am/amazonas/noticia/2023/12/04/mp-aponta-falta-de-camaras-frigorificas-para-armazenar-corpos-e-peritos-no-iml-e-instituto-de-criminalistica-do-am.ghtml

Outras notícias