Agência Brasileira de Inteligência exonera três servidores após investigação da Polícia Federal

Escândalo de Grampos Ilegais na Abin: Secretário de Planejamento Exonerado em Meio a Investigações da PF

Na última terça-feira, 24, a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) tomou uma decisão drástica ao exonerar o secretário de Planejamento e Gestão, Paulo Maurício Fortunato. Tal medida foi tomada após uma investigação conduzida pela Polícia Federal revelar seu envolvimento em grampos ilegais.

Além de Fortunato, outros dois diretores da Abin também foram exonerados, evidenciando a gravidade da situação. A Polícia Federal está investigando e desvendando um caso de monitoramento ilegal, no qual foram alvo jornalistas, advogados, políticos e até mesmo ministros do Supremo Tribunal Federal.

Com a exoneração, esses indivíduos serão reintegrados aos seus cargos de carreira, porém não terão mais a possibilidade de ocupar cargos de chefia. Além disso, terão que enfrentar processos administrativos para responderem pelos seus atos.

Os números revelados são estarrecedores: entre 2018 e 2020, cerca de 30 mil monitoramentos ilegais foram realizados. Contudo, a Polícia Federal constatou que os dados foram apagados com o intuito de atrasar a investigação. Até o momento, apenas 1.800 casos foram identificados.

Chama atenção o fato de que a tecnologia utilizada pela Abin para espionar ministros do STF e possíveis adversários do governo de Jair Bolsonaro tem origem israelense, sendo conhecida como FirstMile. Essa revelação joga luz sobre a forma como a inteligência brasileira tem conduzido suas atividades e coloca em xeque a legalidade de suas ações.

Enquanto o escândalo dos grampos ilegais continua a se desdobrar, o país aguarda mais informações e espera que a justiça seja feita. O monitoramento de cidadãos, especialmente de autoridades e profissionais do direito, deve ser realizado dentro dos limites da lei, garantindo assim os direitos e as liberdades individuais de todos os brasileiros.

Fonte: https://www.diariodacapital.com/materias/abin-exonera-tres-servidores-investigados-pela-policia-federal

Outras notícias